sexta-feira, junho 01, 2007




sua ciência acumulava-se em folhas de papel recortadas de jornais e em rascunhos feitos a mão, metodicamente guardados em pastas empilhadas nas estantes empoeiradas do almoxarifado onde vivia.
quase tudo o que sabia jazia fora de si. guardava consigo, apenas, o sentir das coisas do mundo, sua vida. seu coração.



4 comentários:

Rodrigo disse...

Oi, achei teu blog pelo google tá bem interessante gostei desse post. Quando der dá uma passada pelo meu blog, é sobre camisetas personalizadas, mostra passo a passo como criar uma camiseta personalizada bem maneira. Até mais.

caeiro disse...

cara, isso foi muito legal. e sem querer teorizar a coisa. isso me parece que, em meio ao assalto da burocracia da vida moderna, algumas pessoas ainda conseguem manter algo quente no peito.

gdec disse...

E que mais há para saber além do que ele(a) guardava consigo ?
Beijos
gdec

Rita Costa & André L. Soares disse...

Muito linda mesmo essa sua prosa-poética, não somente pela maestria com que foi escrito, mas também pelo profundo sentido filosófico do texto. Considero importante mesmo essa abordagem sobre o 'fazer humano' e o que ele nos desperta. Grande abraço, Poetisa!

 
Free counter and web stats