domingo, abril 15, 2007

encore

Mada Primavesi, Gustav Klimt



não fico mais.
as ruas estão cansadas dos barulhos das castanholas.
tacos de saltos,
tudo é rouco.

sarjetas velhas me pedem a última dose.
eu canto baixo
e dou um tiro.

saúdo os que se recolhem antes.
te prego cinco vezes na mesma cruz
fumo os filtros dos amores teus
e tinjo a casa do vermelho que sobraste.

eu também temo.



8 comentários:

douglas D. disse...

inquietante
e belo!

caeiro disse...

a decepção pode ser maior que o cansaço. lembro-me das vitórias possíveis que os livros de filosofia ensinam, a única mola que ainda resiste. resista. de alguma forma.

Anônimo disse...

Nao consegui identificar os inspiradores dessa poesia...quem será? bjo lu

F. Reoli disse...

As vezes o medo se esvai, quando encontramos cores no escuro!
Te beijo!

eduardo disse...

Nossa um casamento perfeito entre aq imagem e o poema.

Ácido Poético disse...

Muito bom, moça Nina.
Maravilhoso.

Um beijo sem temor procê
Bruno

sandro ornellas disse...

Poema muito bonito, ana palindrômica.
(;

Sil* disse...

Marie, esta na figura é você!
Que linda!

 
Free counter and web stats